Soneto



A casa inteira branca está vazia
e o vento lá fora, Mais Bonita,
não se move. E, branca, me fita
Vênus tão longe. Vênus tão fria.

O vento sentou no chão da varanda,
parou o ar e calou a cidade
inteira. A aquosa claridade
do dia parece ter forma, e abranda

as formas das coisas. Abrir-se-ia
a amplidão claríssima de espaços
frente os meus olhos - Nítida e pura.

Mas eu, porém, que descortino o dia
parado à beira-luz, estou a um passo
de anoitecer dentro da noite escura.


_

2 comentários:

carla disse...

inspiração tá osso... e eu ainda não gostei do primeiro que escrevi em 2011. era um presente para um amigo, mas td dia penso em apaga-lo.
Não há oq agradecer... é so continuar produzindo essas coisas lindas que me lembram outros poetas. inté.

fred disse...

Anoiteça, anoiteça... (:

bom ver movimentações por aqui!
abraço